Por CPP Nordeste
Em Pernambuco, pescadores e pescadoras da comunidade de Baldo do Rio, no município de Goiana, vêm denunciando aos órgão estaduais de meio ambiente poluição causada pela indústria KABLIN, mas nenhum providência foi tomada.
O desenvolvimento da pesca artesanal no rio Goiana, localizado no município de Goiana/PE, vem sendo ameaçado pela contaminação industrial. Nos anos 70, 80, 90 e 2000, as maiores fontes poluidoras eram as agroindústrias Usina Santa Tereza, Usina Maravilha, e a fábrica de papelão KABLIN, chamada de Ponsa até o final da década de 90. Nesse período, já era alarmante a quantidade de peixes mortos devido à poluição da KABLIN.
 
No início desse ano, uma grande mortandade de peixes, promovida pela contaminação das águas, alarmou a comunidade pesqueira Baldo do Rio, que vive na região. A comunidade vem denunciando desde janeiro os constantes descartes de efluentes industriais pela KABLIN dentro do Rio Goiana. As denuncias foram feitas junto aos órgãos ambientais de fiscalização, CPRH, CIPOMA e ICMBio, através da gestão da RESEX Federal Acau Goiana, e à  secretaria municipal de Pesca e Meio ambiente do município de Goiana.
 
A ouvidoria da CPRH se pronunciou dizendo que a KABLIN havia assumido a culpa e que já havia apresentado defesa. “A empresa KLABIN- Unidade Goiana assumiu a responsabilidade, alegando um acidente na nova máquina de papel. A empresa já apresentou defesa ao CPRH”, relatava a resposta enviada pela Unidade Integrada de Gestão Ambiental em Nazaré - UIGA NAZARÉ, no inicio de março.
 
A comunidade de Baldo do Rio ainda interpelou novamente a ouvidoria da CPRHA que se prontificou em avaliar o caso. “Informamos que reencaminharemos a denúncia a Unidade Integrada de Gestão Ambiental de Nazaré - UIGA NAZARÉ, para que realizem nova fiscalização e tomem as ações cabíveis conforme a Legislação Ambiental [...] O processo que está em curso nesta Agência”, expunha a mensagem.
 
Até agora, o ICMBio, através da equipe gestora da RESEX ACAU GOIANA, não tomou nenhuma providência em relação à denuncia da comunidade. Segundo repasse dos pescadores e das pescadoras, o órgão colocou que não poderia comparecer a comunidade por que não tinha transporte disponível, e que a Industria KLABIN está situada fora da área da unidade de conservação.
 
Na última segunda feira, 23, um grupo de pescadores e pescadoras retratou as denuncias junto a Promotoria de justiça de Defesa da Cidadania da Comarca de Goiana.
 
Na sexta-feira, 27, a comunidade do Baldo do Rio notou mais uma vez a presença do descarta de águas vindas da KABLIN sem tratamento no Rio, o que voltou a agravar a morte de peixes e crustáceos. O grupo denunciou novamente o caso aos órgãos de meio ambiente e, no mesmo dia pela manhã, foi ao Ministério Público Estadual reforçar o caso. A comunidade segue sem o retorno dos órgão.
 
Avanço da indústria em Pernambuco e seus impactos

A região do litoral norte de Pernambuco vem recebendo um crescente avanço do desenvolvimento industrial. A chegada da indústria automotiva FIAT e a implantação e ampliação das indústrias mineraria da região, como a Itapessoca, Brennand e Larfage, entre outras indústrias, vem interferindo no modo de vida dessas regiões, e impactando especialmente as comunidades tradicionais, e alterando a biodiversidade.

Boletim De Volta às Raízes

20080110125352

Notícias

 

//
Google Analytics Alternative