A Articulação do Semiárido Pernambucano (ASA/PE), rede de incidência política e construção de conhecimentos para a Convivência com o Semiárido, que congrega diversas organizações da sociedade civil no estado de Pernambuco, comprometidas na construção da democracia, da justiça social e ambiental, vêm através deste manifesto colocar suas reflexões e posições a respeito da Água, por ocasião do Dia Mundial da Água celebrado
nesse 22 de março de 2017.

 

A ação da ASA no estado tem contribuído para a mudança da paisagem e a qualidade de vida das pessoas com as mais de 83.004 Cisternas de Placas (16 mil litro) construídas e que captam água para o consumo humano, além da implantação de tecnologias que captam e armazenam água para a produção de alimentos saudáveis como as Barragens Subterrâneas, Tanques de Pedras, Barreiros Trincheiras, Cisternas Calçadão, Barraginhas e Cisternas de Enxurradas totalizando mais de 13.526 tecnologias construídas. Somados a essas tecnologias, ainda contamos com 690 Cisternas Escolares que captam e armazenam Água para o consumo da comunidade escolar e mais 91 Bancos de Sementes que representam reservas genéticas importantes para segurança e autonomia alimentar.

Milhares de pessoas foram mobilizadas para participar desses programas e nesse processo se construiu outro pensamento a respeito do que é o Semiárido, que passou a ser visto a partir de suas potencialidades. Assim, saímos da lógica do combate à seca para a da Convivência com o Semiárido. Dentro dessa corrente de pensamento, defendemos que a Água é um direito humano e bem público que precisa ser partilhado, cuidado e protegido.

Porém, o que vinha a passos largos para uma politica pública mais abrangente e universal vem sofrendo brutal desaceleração, impulsionado principalmente pelo sério processo de atentado à democracia brasileira ocorrido nos últimos meses, tirando da prioridade o combate à fome e à pobreza. O atual governo federal tem feito vista grossa a toda ação da ASA, com pouco ao quase nenhum anúncio de apoio.

A Secretaria Executiva de Agricultura Familiar (SEAF) está sucateada e o governo não tem conseguido implementar o Programa Pernambuco Mais Produtivo (PMP) nem o Programa no ritmo necessário às famílias camponesas, com recorrentes atrasos nos contratos. O ultimo edital do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FEHIDRO) foi em 2014. E, embora completem seis anos consecutivos de seca, as ações com investimentos próprios estão distantes de responder a séria crise hídrica que a população vive. O governo tem negligenciado os espaços de interlocução com a sociedade civil, como o CONSEA/PE, o CDRS/PE e o Comitê Permanente de Convivência com a Estiagem, que têm funcionado pela vontade das organizações e sem nenhum apoio do governo que viabilize a participação de representantes de povos e comunidades tradicionais. Dessa forma, a velha e maléfica “indústria da seca” volta a pairar na vida do povo sertanejo.
Diversas atividades estão sendo desenvolvidas pelo conjunto de organizações que compõem a ASA/PE, junto às famílias e comunidades do Semiárido de Pernambuco, acompanhe pelo portal: ttp://asapernambuco.blogspot.com.br/

Assim, esse manifesto inspirado no Bicentenário da Revolução Pernambucana de 1817 conclama a todos os povos do Semiárido de Pernambuco a denunciar a situação vivida e mobilizarem suas comunidades, seus municípios e articular os Territórios na luta pela efetivação dos seus direitos e em defesa da Convivência com o Semiárido.

Nenhum Direito a Menos!
Pernambuco, Semana da Água de 20 a 26 de março de 2017.

*foto da Asa Brasil

Boletim De Volta às Raízes

20080110125352

Notícias

 

//
Google Analytics Alternative