Oficinas transmitem conhecimentos às mulheres sobre seus direitos

Empoderar as mulheres para que possam enfrentar vários tipos de violência relacionadas à condição de gênero e contribuir para o conhecimento dos seus direitos enquanto cidadãs. Esse foi o propósito das oficinas realizadas pelo Centro Nordestino de Medicina Popular (CNMP) com as mulheres de quatro municípios do Sertão do Araripe: Granito, Ipubi, Moreilândia e Exu.

A iniciativa é parte do projeto Caminhando Contra a Violência as Mulheres no Sertão do Araripe, realizado pelo CNMP com apoio de Pão para o Mundo – PPM. As mulheres são ligadas a associações rurais parceiras do projeto e também levam outras mulheres da sua comunidade para vivenciar a experiência. Os grupos são compostos, em média, por 20 mulheres: agricultoras, estudantes, vendedoras, manicures, operárias e aposentadas – as idades variam entre 16 e 65 anos.

Nas oficinas, elas têm acesso a um universo de novas informações que podem mudar os rumos das suas vidas. As educadoras e mulheres convidadas pelo projeto para as oficinas discutem temas como os efeitos do patriarcado na vida das mulheres, os tipos de violência as quais estão expostas e a Lei Maria da Penha. Na oficina de Ipubi, pela primeira vez, o projeto contou com a participação de duas mulheres trans.

A metodologia das oficinas é pensada para proporcionar bastante interatividade, a partir de atividades como rodas de conversas, debates, trabalhos em grupos e dinâmicas de autocuidado e o cuidado para com as outras. “São momentos bem significativos para elas e que possibilitam reflexões acerca de suas vivências, experiências, anseios e possibilidades”, afirma Cláudia Xenofonte, educadora do CNMP.

Nas oficinas, muitas mulheres também passam a conhecer toda rede de proteção contra a mulher existente nos municípios e como fazer para elas acessá-la em caso de necessidade.

As oficinas aconteceram nos meses de agosto e setembro nas comunidades da Serra do Mandacaru (Moreilândia), Serra Branca (Ipubi), Serra da Estância (Exu) e Sítio Palácio (Granito).

#mulherescontraaviolência#sertãodoArarpipe#centronordestino

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *